segunda-feira, 21 de agosto de 2006

Futuro

Ricardo Reis

Aguardo, equânime, o que não conheço —
Meu futuro e o de tudo.
No fim tudo será silêncio, salvo
Onde o mar banhar nada.

quarta-feira, 16 de agosto de 2006

A raposa e o político

Certa vez uma raposa se aproximava de um galinheiro para roubar como de costume, quando foi abordada por um político que a observava sem que ela soubesse. O homem se aproximou da raposa e disse:

– Venho te observando todos os dias e vi que você sempre rouba apenas uma galinha... tenho uma proposta para te fazer baseado em minha experiência e parceria com outras raposas. O esquema é o seguinte: a gente rouba todas as galinhas desse galinheiro e depois fazemos isso nos outros galinheiros das fazendas vizinhas. Aí, a gente divide o fruto do roubo em partes justas, tipo hoje você rouba para mim e amanhã eu roubo para você. Não tem erro, nós dois lucramos e é totalmente seguro.

A raposa ficou impressionada com a proposta do político e a seguiu à risca. Roubou todas as galinhas. Não deixou nenhuma. Passou tudo ao político e combinaram de se encontrar na fazenda vizinha no dia seguinte. No outro dia, o político não estava lá. O galinheiro já estava vazio e o dono havia armado uma tocaia para pegar o ladrão.

A raposa foi abatida com três tiros na cabeça.

Moral da historia: mais vale roubar uma galinha por dia que confiar na palavra de um político.