quinta-feira, 3 de julho de 2008

Poética

Cesare Pavese

O menino se dá conta de que a árvore é viva.
Se as tenras folhas se abrem a força
uma luz, rompendo impiedosa, a dura casca
deve sofrer muito. Apenas vive em silencio.
Todo o mundo é coberto de plantas que sofrem
na luz, e não se ouve sequem um suspiro.
É uma luz tenra. O menino não sabe
de onde vem, já é tarde; mas cada tronco revela
sobre um fundo mágico. Após um momento é escuro.

O menino – alguém permanece menino
muito tempo – que tinha medo do escuro,
vai pela rua e não presta atenção às casas escurecidas
no crepúsculo. Curva a cabeça à escuta
de uma lembrança remota. Nas ruas desertas
como praças, acumula-se um grave silêncio.
O caminhante poderia estar apenas num bosque,
onde as árvores fossem enormes. A luz
com um arrepio corre os lampiões. As casas
deslumbradas transpiram no vapor azul claro,
e o menino levanta os olhos. Aquele silêncio remoto
que prendia a respiração do caminhante, floresce
na luz súbita. São as árvores antigas
do menino. E a luz é o encanto de outrora.

E alguém, no diáfano circulo, começa
a passar em silencio. Pela rua ninguém
jamais revela a pena que morde a vida.
Andam rápido, cada um como que absorto em seu passo,
e grandes sombras ondulam. Têm as faces enrugadas
e as olheiras dolentes, mas nenhum se lamenta.
Todas as noites, na luz azul clara,
vão como num bosque, entre as casas infinitas.


Poetica
Cesare Pavese

Il ragazzo s'è accorto che l'albero vive.
Se le tenere foglie si schiudono a forza
una luce, rompendo spietate, la dura corteccia
deve troppo soffrire. Pure vive in silenzio.
Tutto il mondo è coperto di piante che soffrono
nella luce, e non s'ode nemmeno un sospiro.
E' una tenera luce. Il ragazzo non sa
donde venga, è già sera; ma ogni tronco rileva
sopra un magico fondo. Dopo un attimo è buio.

Il ragazzo - qualcuno rimane ragazzo
troppo tempo - che aveva paura dei buio,
va per strada e non bada alle case imbrunite
nel crepuscolo. Piega la testa in ascolto
di un ricordo remoto. Nelle strade deserte
come piazze, s'accumula un grave silenzio.
Il passante potrebbe esser solo in un bosco,
dove gli alberi fossero enormi. La luce
con un brivido corre i lampioni. Le case
abbagliate traspaiono nel vapore azzurrino,
e il ragazzo alza gli occhi. Quel silenzio remoto
che stringeva il respiro al passante, è fiorito
nella luce improvvisa. Sono gli alberi antichi
del ragazzo. E la luce è l'incanto d'allora.

E comincia, nel diafano cerchio, qualcuno
a passare in silenzio. Per la strada nessuno
mai rivela la pena che gli morde la vita.
Vanno svelti, ciascuno come assorto nel passo,
e grandi ombre barcollano. Hanno visi solcati
e le occhiaie dolenti, ma nessuno si lagna.
Tutta quanta la notte, nella luce azzurrina,
vanno come in un bosco, tra le case infinite.