domingo, 16 de setembro de 2012

For my father


Paul Potts

I  think a time will come when you will understand
That I wass forced to try and fly and learn to sing
And the because I fell, echoless, between dark rocks
Is of itself no proof that if I had not run away
I would have grown strong and added to
The long tradition of you and your quiet sires.
Remember too, that this emigrating is of itself
Part of your own long silent heritage.
Else, how sir, did you come to be American?


Acho que chegará o momento em que você vai entender
que fui forçado a tentar e voar e a aprender a cantar
e porque caí, sem eco, entre rochas escuras
não é por si prova de que se eu não tivesse fugido
teria crescido forte e contribuído para
a sua longa tradição e aos seus discretos progenitores.
Lembre-se, também, de que esta emigração é ela mesma
parte de sua longa herança.
De que outro modo, então, o senhor chegou a ser americano?



Paul Potts. Poeta inglês (1911-1990).  Confira uma belíssima tradução ao espanhol em "La Biblioteca de Marcelo Leites"

terça-feira, 3 de julho de 2012

Poderoso cavalheiro é Dom Dinheiro


Francisco de Quevedo

Mãe, eu ao ouro me humilho,
ele é meu amante e meu amado,
e, de tão enamorado,
de contínuo anda amarelado;
e em fortunas ou trocados,
faz tudo quanto quero,
poderoso cavalheiro
é dom Dinheiro.


Nasce nas Índias honrado,
onde o mundo o acompanha;
vem morrer na Espanha,
e é em Gênova enterrado.
e ademais, quem o tem a seu lado
é formoso, embora seja feio,
poderoso cavalheiro
é dom Dinheiro.


É galã e é como um ouro;
tem quebrada a cor,
pessoa de grande valor,
tão cristão quanto mouro;
pois dá e quita o decoro
e quebranta qualquer foro,
poderoso cavalheiro
é dom Dinheiro.


São seus pais principais
e é de nobres, descendente
porque nas veias do Oriente
todos os sangues são Reais.
e, portanto, é quem torna iguais
ao rico e ao pedinte,
poderoso cavalheiro
é dom Dinheiro.


E quem não se encanta
de ver em sua glória, sem taxa,
o que é o pior de sua casa
dona Blanca de Castilla?
Mas eis que sua força humilha
ao covarde e ao guerreiro,
poderoso cavalheiro
é dom Dinheiro.


Seus escudos de armas nobres
são sempre tão principais,
que sem seus escudos reais
não há escudos de armas duplas;
e pois às mesmas duras
da cobiça seu mineiro,
poderoso cavalheiro
é dom Dinheiro.


Por importar nos tratos
e dar tão bons conselhos
nas casas dos velhos
gatos lhe guardam de gatos;
e assim ele rompe recatos
e abranda ao juiz mais severo,
poderoso cavalheiro
é dom Dinheiro.


É tanta sua majestade,
que, embora sejam seus duelos fartos,
ele, ainda tendo esquartejado
não perde sua qualidade.
mas, com certeza, dá autoridade
ao camponês e ao jornaleiro,
poderoso cavalheiro
é dom Dinheiro.


Nunca vi damas ingratas
ao seu gosto e afeição,
que às caras com um dobrão
fazem suas caras baratas;
e assim faz as bravatas
de uma bolsa de couro,
poderoso cavalheiro
é dom Dinheiro.


Mais valem em qualquer terra
(vejam se não é realmente sagaz)
seus escudos na paz,
que escudos na guerra;
pois ao nativo desterra
e faz nativo o forasteiro.
poderoso cavalheiro
é dom Dinheiro.

Poderoso caballero es don DineroFrancisco de Quevedo
Madre, yo al oro me humillo,
él es mi amante y mi amado,
pues de puro enamorado
de continuo anda amarillo;
que pues, doblón o sencillo,
hace todo cuanto quiero,
poderoso caballero
es don Dinero.
Nace en las Indias honrado
donde el mundo le acompaña;
viene a morir en España
y es en Génova enterrado;
y pues quien le trae al lado
es hermoso aunque sea fiero,
poderoso caballero
es don Dinero.
Es galán y es como un oro;
tiene quebrado el color,
persona de gran valor,
tan cristiano como moro;
pues que da y quita el decoro
y quebranta cualquier fuero,
poderoso caballero
es don Dinero. 
Son sus padres principales,
y es de noble descendiente,
porque en las venas de oriente
todas las sangres son reales;
y pues es quien hace iguales
al duque y al ganadero,
poderoso caballero
es don Dinero.
Mas ¿a quién no maravilla
ver en su gloria sin tasa
que es lo menos de su casa
doña Blanca de Castilla?
Pero pues da al bajo silla,
y al cobarde hace guerrero,
poderoso caballero
es don Dinero. 
Sus escudos de armas nobles
son siempre tan principales,
que sin sus escudos reales
no hay escudos de armas dobles;
y pues a los mismos robles
da codicia su minero,
poderoso caballero
es don Dinero. 
Por importar en los tratos
y dar tan buenos consejos,
en las casas de los viejos
gatos le guardan de gatos;
y pues él rompe recatos
y ablanda al jüez más severo,
poderoso caballero
es don Dinero.
Y es tanta su majestad,
aunque son sus duelos hartos,
que con haberle hecho cuartos,
no pierde su autoridad;
pero, pues da calidad
al noble y al pordiosero,
poderoso caballero
es don Dinero.
Nunca vi damas ingratas
a su gusto y afición,
que a las caras de un doblón
hacen sus caras baratas;
y pues hace las bravatas
desde una bolsa de cuero,
poderoso caballero
es don Dinero.
Más valen en cualquier tierra
mirad si es harto sagaz,
sus escudos en la paz,
que rodelas en la guerra;
y pues al pobre le entierra
y hace propio al forastero,
poderoso caballero
es don Dinero.

domingo, 24 de junho de 2012

A chuva


Jorge Luis Borges

Bruscamente tem a tarde se iluminado
Porque já cai a chuva minuciosa.
Cai ou caiu. A chuva é uma coisa
que sem dúvidas acontece no passado.

Quem a ouve cair, terá recordado
o tempo em que a sorte venturosa
lhe revelou uma flor chamada rosa
e a curiosa cor do avermelhado.

Esta chuva que cega os cristais
Alegrará em perdidos confins
as negras uvas de uma parreira em certo
pátio que já não existe. A molhada
tarde me traz a voz, a voz desejada,
de meu pai que volta e que não está morto.

La Lluvia
Jorge Luis Borges
Bruscamente la tarde se ha aclarado
porque ya cae la lluvia minuciosa.
Cae o cayó. La lluvia es una cosa
que sin duda sucede en el pasado.
Quien la oye caer ha recobrado
el tiempo en que la suerte venturosa
le reveló una flor llamada rosa
y el curioso color del colorado.
Esta lluvia que ciega los cristales
alegrará en perdidos arrabales
las negras uvas de una parra en cierto
patio que ya no existe. La mojada
tarde me trae la voz, la voz deseada,
de mi padre que vuelve y que no ha muerto
. 
Jorge Luis Borges, In: “El hacedor”, 1960.

domingo, 6 de maio de 2012

Eu fui


Luis Cernuda

Eu fui.
Coluna ardente, lua de primavera.
Mar dourado, olhos grandes.

Busquei o que pensava;
pensei, com o amanhecer em solo lânguido,
o que pinta o desejo em dias adolescentes.
Cantei, subi,
fui luz um dia
arrastado na chama.

Como um golpe de vento
que desfaz a sombra,
caí no negro,
num mundo insaciável.

Tenho sido.


Yo fui... 

Yo fui.
Columna ardiente, luna de primavera.
Mar dorado, ojos grandes.
Busqué lo que pensaba;
pensé, como al amanecer en sueño lánguido,
lo que pinta el deseo en días adolescentes.
Canté, subí,
fui luz un día
arrastrado en la llama.
Como un golpe de viento
que deshace la sombra,
caí en lo negro,
en el mundo insaciable.
He sido.